Problemas comuns em um provedor de internet e como resolvê-los

São diversos os problemas que quem trabalha com a implementação dos serviços de um ISP enfrenta no dia a dia. Seja com falhas técnicas repentinas, instalações demoradas, frequentes manutenções. Tudo isso colabora para a perda de produtividade, mas mais ainda: pode levar clientes embora e prejudicar ainda mais o provedor. Nesse artigo, identificamos seis problemas frequentes em um provedor de internet, e possíveis soluções para minimizá-los.

1 - Equipamentos de baixa qualidade

Como já sabemos: o barato, na maioria das vezes, sai caro.
Equipamentos de menor custo e qualidade tendem a apresentar falhas em pouco tempo de uso. Não apenas falhas técnicas, mas também de deterioração dos materiais utilizados na fabricação desses produtos. É importante entender a resistência em ambos aspectos.
De início, a escolha pode ser tentadora, mas lá na frente resultará em perda de clientes, dores de cabeça e desgaste da imagem que seu provedor tem no mercado. Vale a pena pesquisar um pouco mais no início e acertar o investimento, do que se basear apenas no menor preço.
Priorizar instrumentos certificados e com garantia é indispensável, se possível, aliado a um suporte disponível. Sem dúvidas essa é a alternativa mais segura.

2 - Instalação dos equipamentos

Esse ponto está diretamente ligado ao anterior.

Assim como a gestão inteligente tem que atuar na compra dos equipamentos do seu provedor, ela também precisa estar de olho no processo de instalação. De nada adianta um bom instrumento se quem vai manuseá-lo não tem o conhecimento necessário para extrair o melhor dali.

Isso passa pelo treinamento adequado dos profissionais de campo, fiscalização dos projetos de rede e aumentar a praticidade durante as instalações. Optar por modelos de produtos que ofereçam essa praticidade na montagem pode ajudar. Não só em tornar o trabalho eficaz, mas em economizar dinheiro ao diminuir o tempo das instalações.

3 - Equipamentos e configurações antigas ou desatualizadas

Além dos equipamentos de baixa qualidade, outro problema pode estar na utilização de produtos e configurações já desatualizados. Além de apresentar problemas de funcionamento com o tempo, esse tipo de material pode gerar problemas de segurança.
A qualidade da conexão é bastante comprometida nesses casos, visto que equipamentos antigos podem afetar a velocidade da internet.
A solução aqui é simplesmente verificar quais as versões mais recentes e atualizadas dos aparelhos em uso, e sempre que possível optar pela troca. O resultado será maior qualidade do serviço prestado pelo provedor, e clientes satisfeitos.

4 - Manutenções constantes

Esse fator também está diretamente ligado à gestão do provedor. Quando manutenções se tornam muito frequentes, com falhas a todo momento, o desempenho da empresa e dos técnicos responsáveis também sofre. Como já dito anteriormente, uma boa escolha de equipamentos pode ajudar nesse sentido, mas acreditamos que um bom gerenciamento da rede também. Aliar essas duas coisas vai otimizar muito os processos do seu provedor.
Ser capaz de saber exatamente onde uma falha acontece, por meio de uma documentação detalhada do seu projeto de rede, agiliza o trabalho de manutenção, mas não só: por meio dessas informações, será possível saber onde estão os causadores dos erros, e realizar trocas inteligentes de material a partir daí. Mais uma vez, economia de tempo e dinheiro.

5 - Interferência e instabilidade de rede

Existem vários dispositivos com a capacidade de gerar interferência de rede, diminuindo velocidade da internet principalmente quando não se utiliza a fibra ótica. Atente-se ao fato de que não só fatores/elementos na residência do cliente podem causar esse tipo de instabilidade, mas na área ao redor. Como é algo que influencia diretamente a experiência do usuário, é importante encontrar as causas e oferecer soluções desde equipamentos específicos até novos canais de recepção.

Mas, para uma resolução a longo prazo de interferências e instabilidade, optar por uma rede de fibra ótica é a melhor alternativa. Elas, por exemplo, não sofreram com interferências eletromagnéticas.

As falhas de energia também podem gerar problemas para a estabilidade de uma rede. Além de transtornos na experiência dos clientes, pode gerar graves danos aos equipamentos do provedor. Utilizar equipamentos com funcionamento online, por exemplo, pode ajudar nesse sentido. A oscilação elétrica não afetará a rede, uma vez que o dano pode ser evitado em tempo real Fontes nobreaks, fontes chaveadas, protetores elétricos, conversores e box’s POE’s protegem os equipamentos das possíveis variações de energia.

6 - Manutenções constantes

Por último, um obstáculo para os provedores é a falta de controle sobre seu projeto de rede. O que no início do provedor pode não parecer um problema, com o tempo se torna uma bola de neve. A rede cresce, e o conhecimento “de cabeça” sobre onde estão as coisas inevitavelmente irá se perder. Confiar exclusivamente na memória de um ou outro responsável para lidar com todas as informações de caixas, cabos, equipamentos utilizados em cada ponto, é no mínimo arriscado. 

Esse problema pode impactar produtividade, fazer com que gastos desnecessários sejam feitos por não ter informações detalhadas e atrapalhar um momento de expansão do provedor.

Para resolver esse problema, a melhor atitude é iniciar a documentação desde cedo. Mesmo um provedor de pequeno porte, que acabou de começar, pode investir tempo em fazer seu projeto de rede. Existem ferramentas gratuitas para o início desse processo, como o Google Earth, e que também possibilitará uma migração facilitada para um software dedicado como o OZmap, por exemplo, no futuro. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *