4 Realidades do mercado que todo pequeno e médio provedor precisa saber

Há, atualmente, 4 essenciais realidades no mercado de provedores de internet (ISPs). É importante observar tanto os pontos internos - de nossa própria empresa - quanto externos - o mercado no qual se está inserido. Internamente temos auxílio do OZmap, a gerar informações inteligentes a partir do georreferenciamento. O OZmap faz o contorno de toda a rede de provedores e reproduz dados atualizados para otimização da gestão e importantes decisões. Já, para o ambiente externo, destacamos 4 tópicos essenciais no atual mercado. Confira:

1 - O mercado de provedores de internet é dominado por pequenos e médios provedores

Nos últimos anos provedores de pequeno e médio porte vêm ditando o ritmo de expansão do serviço de banda larga no Brasil.  “Metade das conexões de fibra óptica no país está na rede dos provedores regionais”, confirma Basílio Perez, Presidente da Abrint. Basílio ressalta que “A tecnologia da fibra óptica ficou muito mais barata” o que alavancou esse crescimento. Em 2018 a banda larga fixa baseada na tecnologia de fibra óptica atingiu 5,19 milhões de conexões.

 O Levantamento divulgado em 2018 pelo Comitê Gestor da Internet (CGI.br) mostra que no ano anterior (2017), 78% dos provedores de internet no país disponibilizavam conexões de banda larga, quase 30% a mais que o registrado em 2014. Segundo a especialista Carina Gonçalves, consultora sênior da Frost & Sullivan, “Alguns participantes locais cresceram o suficiente para fornecer conectividade inteiramente com sua própria rede, especialmente em locais mal atendidos”. Esse crescimento tem atraído  fundos de investimentos significativos para “expandir e modernizar suas redes, bem como desenvolver novos serviços além da conectividade, como data center e computação em nuvem”. De acordo com o CGI.br, o total de provedores de acesso à internet ativos no país, saltou de 4.204 para 6.618 entre 2014 e 2017 – um aumento de 57%.

2- Mercado de provedores regionais de fibra óptica movimentará US$ 45 bilhões

Competitivo, bilionário e cada vez mais propício a empresas focadas no cliente local: assim tem se concretizado o mercado brasileiro de internet banda larga, segundo apontam dados de diversas consultorias, órgãos reguladores e entidades setoriais. Conforme um estudo da Frost & Sullivan, a receita total de serviços de telecomunicações no Brasil ultrapassará US$ 45 bilhões em 2022, muito além dos US$ 38 bilhões medidos em 2016. Sendo a banda larga o principal propulsor destes ganhos.

O segmento de provedores regionais (ISPs), têm crescimento acima das grandes operadoras de Telecomunicações. Em 2017, cerca de 1,91 milhão de novos contratos de banda larga foram firmados no país por provedores regionais. Um estudo da Anatel que avalia esse mercado de 2007 até final de 2018 aponta que o número  de assinaturas de banda larga fixa aumentou 276% no Brasil, enquanto isso as grandes Telecomunicações perdem espaço. A Anatel avalia como as Prestadoras de Pequeno Porte (PPP) vêm se expandindo em ritmo forte: hoje, a maior parte dos municípios, 78,2%, possui cinco ou mais ISPs ativos. A maior operadora presente no país caiu de 42,6%, em 2007, para 19,2% em 2018. A segunda maior reduziu de 28,1% para 24,3%.

3 - Estudo comprova que 83% de novos acessos vieram de provedores de internet regionais

A expansão dos provedores regionais foi ainda maior em regiões que antes eram dominadas por grandes operadoras: no Sudeste, eles foram responsáveis por 83% do total dos novos acessos; no Sul, por 73%; Centro-Oeste por 69% e Norte por 55%, segundo dados da Anatel. O funcionamento localizado atrai mais assinantes, deixando apenas 17% de todo o espaço para as grandes operadoras.

Para entendermos melhor essa expansão basta analisar o Nordeste onde operadores regionais tiveram um crescimento de 104%, com 380.516 novos acessos, enquanto as grandes operadoras perderam 17.856 acessos da sua base, durante o período de janeiro a dezembro de 2018.

 
4 - Mercado de fibra óptica segue em alta

“A fibra óptica continua crescendo e levando a conectividade para diferentes pontos do Brasil”, comenta Basílio Perez, diretor da ABRINT. Sabe-se que tornou-se em 2018 o método favorito de conexão domiciliar à internet, 138 novas cidades brasileiras registraram novos acessos por meio do formato.

Os estados com maior densidade de fibra são: Acre, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina, além do Distrito Federal. Todos com 80% a 100% de cidades atendidas pela tecnologia de fibra. O Piauí, com 20%, é o estado com menor densidade, mas que não escapa ao crescimento exponencial da fibra óptica.

Com estes dados é possível tirar vários insights de como se posicionar no mercado de provedores, mas você tem clareza de como está a atual situação de sua rede? Quais são as melhores ações a se tomar? Quais as necessidades de seus clientes e possíveis clientes da sua região e como você pode atendê-las? Caso tenha dúvida ao responder alguma dessas perguntas, podemos te ajudar! Envie-nos uma mensagem e um de nossos especialistas entrará em contato para lhe orientar. Ou faça um teste agora do nosso sistema OZmap!

Tenha sua própria experiência com o OZmap

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *